Notícias
Parcerias
09 de Janeiro de 2020
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
I FestFérias promete diversão no teatro para crianças
O Festival oferece programação extensa, além de oficina; diretor do Teatro Commune fala sobre o FestFérias e importância do Teatro



As férias de verão da criançada vão ficar ainda mais agitadas com a primeira edição do FestFérias, que conta com seis espetáculos teatrais e uma oficina para os pequenos. A mostra acontece no Teatro Commune de 12 de janeiro a 2 de fevereiro, com atrações de terça a domingo.

Também no sábado, as crianças e seus pais poderão participar da oficina "Quem Quer Faz", com Carlos Meceni e Renan Pessoa, que estabelece um jogo dramático no qual todos os participantes se envolvem em uma experiência criativa, lúdica e libertária para construir bonecos e fazer pequenas representações.

A mostra é uma realização do Teatro Commune e da Rede de Teatros e Produtores Independentes.

Confira a programação abaixo:






I FESTFÉRIAS NO TEATRO COMMUNE

12 de janeiro a 2 de fevereiro

Teatro COMMUNE - Rua da Consolação, 1218 (ao lado do metrô Higienópolis - Mackenzie - Linha 4 - Amarela) - Estacionamento ao lado

Ingressos: R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada)

Associado tem desconto de 50% no segundo ingresso (acompanhante).

Bilheteria: (11) 3476-0792

Mais informações: Luciane Ortiz (11) 95061-9530 ou Augusto Marin: (11) 997665-2205

Capacidade: 99 lugares

Entrevista com Augusto Marin

Augusto Marin, diretor do Teatro Commune, referência teatral no Brasil, nos deu uma entrevista exclusiva, falando sobre o FestFérias e a importância do teatro para as famílias nos dias de hoje.

1) como surgiu a ideia para criar o FestFérias?

Augusto Marin: A ideia de fazer esse festival surgiu há algum tempo, quando sentimos a necessidade de abrir um espaço para as crianças nos meses de férias de janeiro e julho. Já havia esse projeto há alguns anos e agora conseguimos realizá-lo em uma parceria entre a Rede de Teatros e Produtores Independentes e o Teatro Commune. É um projeto conjunto, tem uma série de pessoas envolvidas nessa organização - a Luciane Ortiz, o Paulo Drummond, o Chico Cabrera, o Lucas Garcia, entre outros.

Conseguimos de fato botar o bloco na rua e fazer o I FestFérias, que tem a proposta de ocupar um pouco desse espaço infanto juvenil não só com espetáculos, mas trazendo, em outras edições, oficinas, cursos, jogos e brincadeiras. Vamos fazer toda uma programação voltada para as crianças em janeiro e julho. A ideia é fazer um segundo FestFérias ainda neste ano.

O festival vem fazer uma ocupação do Teatro Commune com uma programação de altíssima qualidade. Essas peças todas já circulam há algum tempo, algumas delas já ganharam prêmios e já foram apresentadas em outros países.

2) de que modo o teatro infantil se faz importante nos dias de hoje?

Marin: Eu acho que o teatro infantil é extremamente importante. É o lugar dos afetos, dos encontros. É onde conseguimos ver um recorte da realidade por meio da ficção. O teatro é uma das artes que une mais elementos e talentos - a música, a fala, o texto, a plástica, a cenografia. E eu acho que o teatro infantil tem um papel fundamental nos dias de hoje que é poder trazer o lúdico, a brincadeira, a criatividade e a imaginação para as crianças. Isso, quando é bem feito, com todo o cuidado e qualidade, é precioso. Se você conseguir fazer com que as crianças se encantem pelos personagens, pela fantasia e por aquele universo, com certeza, vai marcá-las para o resto da vida.

Um aspecto importantíssimo do festival é fazer um trabalho de formação de espectadores para as próximas gerações. Porque as crianças de hoje podem ser um bom público - e não digo apenas aquelas que vão trabalhar com teatro ou com o universo cultural - que é crítico e atuante. Estamos formando essa plateia para o futuro e isso é muito importante. Se apresentamos uma peça de qualidade para a criança, começamos a trazer novas pessoas para o teatro, para a arte e para a cena.

3) qual é o papel do Teatro Commune e da Rede de Teatros e Produtores Independentes em seus projetos de arte teatral para a sociedade?

Marin: O Teatro Commune pertence à Commune, que é uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e é um grupo teatral desde 2003. Nós lançamos agora há pouco um livro de 15 anos de história, temos vários espetáculos em repertório e estamos na estrada todo esse tempo. Já fomos para outros países e estados. E hoje mantemos o Teatro Commune como um espaço e um laboratório de pesquisa e criação, formação, divulgação dos nossos trabalhos e de parceiros, amigos e outros grupos que trabalham conosco. E fizemos vários eventos, como uma residência artística com o diretor inglês John Mowat. Fizemos dois trabalhos com ele, "Otelo" e "Na Cama com Molière". Trouxemos o Enrico Bonavera, da Commedia Dell'Arte. Enfim, fizemos vários eventos, residências artísticas e oficinas com gente de fora e pessoas importantes.

E o Teatro Commune cada vez mais tem se firmado como um polo de referência teatral e cultural na cidade de São Paulo e no Brasil. É um polo muito significativo de resistência e de referência teatral para as artes cênicas.

A Rede de Teatros e Produtores Independentes é uma associação da sociedade civil, sem fins lucrativos, criada em 2015. E nós temos articulado uma série de programa e políticas. Como, por exemplo, a formação de público com escolas públicas, trazendo os alunos para o teatro. Criamos e aprovamos uma lei de isenção de IPTU para os pequenos teatros. Estamos batalhando por políticas públicas junto às leis de incentivo municipais, estaduais e federal. Recentemente, a Rede elegeu em Brasília o Célio Pontes, que é um dos participantes do Conselho Nacional do extinto Ministério da Cultura e atual Secretaria de Cultura. Tivemos uma participação muito importante nesse processo.

E agora estamos trabalhando para desenvolver algumas outras atividades mais artísticas, como o FestFérias, que é o primeiro evento que a Rede faz em parceira com um teatro, com o objetivo de juntar os grupos independentes e fazer um trabalho de encontro, de troca, de intercâmbio e apresentação. Então, a Rede vai seguir cada vez mais por esse caminho de também organizar alguns eventos, cursos.

A ideia da Rede é cada vez mais ser uma entidade que articula políticas e programas, mas também promove eventos que se direcionem para a cena independente. Nós começamos a Rede batalhando pela autonomia dos teatros de rua, que hoje são quase 90 no centro de São Paulo. E expandimos para incorporar os produtores, artistas e grupos independentes.

Augusto Marin é ator e diretor teatral. Atualmente é diretor do Teatro Commune e coordenador da Rede de Teatros e Produtores Independentes. Formado pela UNICAMP e mestre em Artes Cênicas pela ECA-USP com a dissertação "Arlecchino na Dramaturgia Performativa de Dario Fo". Desenvolve pesquisa sobre Commedia dell´ Arte, a obra de Dario Fo e a criação e adaptação de textos a partir de uma releitura satírica da realidade. Trabalhou como assessor na Secretaria de Cultura de Campinas, na qual criou e organizou os Festivais Internacionais de Teatro da Unicamp (1989-93) e o I Encontro de Teatro de Rua de Campinas (1992). Em 2003 fundou a OSCIP COMMUNE e o Coletivo Teatral Commune, que criou o Teatro Commune (2007), hoje um laboratório de pesquisa, formação e montagem cênica do grupo, uma referência nas artes cênicas na cidade de São Paulo.






Compartilhe

LEIA TAMBÉM

ADESAO
ADESAO 50
Crédito Simulado Paketá
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar


NOTÍCIAS MAIS...

Sindpd com VC: Associe-se ao Sindpd e conheça todos os benefícios

Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW

Conheça o Sindpd Digital
Facebook do Neto

Zap Neto
Zap Neto

CSB Zap
CSB Zap
O Sindpd está no Instagram
Homenagens - mulher
Homenagens - 75

HOMENAGENS
HOMENAGENS

FGTS
FGTS