Notícias
Notícias
30 de Agosto de 2021
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Megabanco de dados virou produto valioso na privatização do Serpro
Abandonado por Bolsonaro, megabanco de dados virou produto valioso na privatização do Serpro



A desculpa era "modernizar o estado brasileiro" e "desburocratizar o governo". Na época, em 2017, parecia uma boa ideia: criar um enorme banco de dados que reunia todos os tipos de informações sobre as pessoas, a um clique de distância, para ajudar gestores públicos a prevenir fraudes e na tomada de decisões. Mas o projeto GovData, criado por Michel Temer e engordado por Bolsonaro e Paulo Guedes com pelo menos 29 bases diferentes de dados - muitas delas ultrassensíveis -, está prestes a cair nas mãos da iniciativa privada.

Lançado pelo Ministério do Planejamento e pelo Serviço Federal de Processamento de Dados, o Serpro, em maio daquele ano, o GovData fazia parte de uma tendência mundial de "governança digital" para melhorar o funcionamento da máquina pública. Sob Bolsonaro, o projeto foi incorporado ao Ministério da Economia, junto ao extinto Ministério do Planejamento, e descontinuado em 2019 como ferramenta de governo. Desde então, ficou sob os cuidados do Serpro.

Hoje, o uso do GovData é nebuloso. Apesar dos poucos detalhes públicos sobre o programa, dá para saber que ele reúne dezenas de bases de dados diferentes, com vários níveis de complexidade e sensibilidade. Algumas delas são mais administrativas e servem para contextualizar informações, como detalhes sobre o território brasileiro e nomenclaturas de bancos de dados. Mas outras contêm dados extremamente sensíveis sobre a população, especialmente a parcela mais vulnerável que recebe auxílio do governo.

A mais delicada delas é a do Cadastro Único para Programas Sociais, o CadÚnico. Sigilosa e de uso exclusivo de entes federais ou pesquisas, ela tem informações sobre famílias brasileiras em situação de pobreza e extrema pobreza. Por meio dela, é possível saber, por exemplo, se a pessoa recebe ajuda financeira de vizinhos, se tem uma boa relação com a família ou se faz parte de algum movimento social.

A real dimensão do GovData, no entanto, não está somente nas bases individuais que o compõem, mas sim em sua capacidade de cruzar diferentes conjuntos de dados que não foram desenhados para conversar entre si. Com isso, é possível descobrir ainda mais sobre pessoas cadastradas a partir dos chamados data lakes, do inglês lago de dados - aglomerados de bases de dados que passam a ser cruzadas.

Nas mãos do governo, esses data lakes podem ser utilizados para fiscalização, combate a fraudes e inteligência para políticas públicas. Mas também para perseguição de grupos e indivíduos que, por exemplo, participam ativamente de movimentos sociais críticos ao governo e recebem benefícios sociais.

Se sob o governo os data lakes podem ser usados para perseguir economicamente um cidadão, nas mãos de uma empresa privada significaria um risco imensurável à privacidade, uma vez que dados sensíveis estariam potencialmente disponíveis para quem pudesse pagar, prejudicando scores de crédito e acesso a serviços, por exemplo.

De política pública a produto

A

ideia de reunir o maior número possível de bancos de dados públicos surgiu em 2017, por iniciativa do Ministério do Planejamento. Em sua primeira versão, o GovData reunia informações de 14 bases de dados. A premissa era permitir que integrantes do Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação, o Sisp, hospedassem ali suas informações e possibilitassem o cruzamento, a partir de outras bases públicas. A operacionalização do GovData ficou a cargo do Serpro e da DataPrev, a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social, em um contrato de R$ 23,9 milhões.

Já no ano de lançamento, 18 órgãos acessaram a base de dados como "degustação". Ministério do Trabalho, da Ciência e Tecnologia, das Cidades, Anatel, Controladoria-Geral da União e Presidência da República foram alguns deles.

Em 2019, quando Jair Bolsonaro assumiu, o GovData foi absorvido pelo Ministério da Economia junto com o extinto Ministério do Planejamento. Nesse período, serviu para alimentar consultas a serviços de assistência social e exportação. Também ajudou a abastecer o mercado com dados sobre tecnologia da informação, segundo o próprio Ministério da Economia. E foi usado para "transformação de serviços", jargão para definir a "simplificação e a oferta de serviços por meio de canais digitais", disse o governo, sem especificar quais são.

O troca-troca de informações corria sem uma política de privacidade. Em uma resposta a um pedido via Lei de Acesso à Informação, o Ministério da Economia se limitou a dizer que havia três níveis de compartilhamento - amplos, restritos e sigilosos - e que os dados não eram anonimizados, porque o acesso seria feito só por "órgãos autorizados pelo gestor do dado".

No fim de 2019, o Ministério da Economia garantiu que o GovData havia sido criado para uso interno do governo federal e que, por isso, só servidores desses órgãos poderiam ter acesso às informações, de forma restrita e controlada. Até aquele momento, o serviço havia custado aos cofres públicos mais de R$ 4 milhões e não gerava lucro. "O objetivo do projeto não é a geração de receita, mas sim a promoção da análise de dados no Governo Federal, com vistas a subsidiar a tomada de decisão em políticas públicas. Dessa maneira, não há que se falar em receita gerada", disse o Ministério da Economia, em resposta a outro pedido de informações.

Mas, depois disso, as coisas tomaram um rumo incerto. Em resposta a mais um pedido feito pelo Intercept e pelo Núcleo com base na Lei de Acesso à Informação, o Ministério da Economia disse que o programa foi descontinuado em 2019 "devido à mudança de cenário gerencial e administrativo".

No final daquele ano, Bolsonaro criou, por meio de um decreto, o Cadastro Base do Cidadão e o Comitê Central de Governança de Dados, megabases que reuniam mais de 50 diferentes tipos de dados dos cidadãos sob a tutela do Ministério da Economia. "O objetivo é que o Cadastro Base do Cidadão se consolide como a única referência de informações dos cidadãos para o governo", declarou, na época, Luis Felipe Monteiro, secretário de Governo Digital do Ministério da Economia. O Cadastro Base não tem relação com o GovData.

Mas, abandonado pela pasta de Paulo Guedes, o projeto continuou dentro do Serpro. A empresa pública seguiu com contratos com os ministérios da Economia, do Meio Ambiente e da Infraestrutura - que, segundo o Serviço Federal de Processamento de Dados, utilizam sua solução para pensarem em políticas públicas "baseadas em evidências". No total, os contratos dos ministérios com o Serpro, assinados em 2020, ultrapassam R$ 850 milhões, segundo o balanço da empresa - sem contar os serviços prestados para a Receita Federal. O GovData corresponde a R$ 3,62 milhões, segundo a assessoria de imprensa da estatal.

A empresa, no entanto, se recusou a responder quanto custou o desenvolvimento da ferramenta e quais os valores pagos pelo acesso à base de dados. Tampouco forneceu detalhes sobre os contratos dos órgãos públicos relacionados ao GovData ou seus preços. "As informações solicitadas encontram-se protegidas por sigilo empresarial e segredo industrial", disse o Serpro, ao negar as informações. "O Serpro é prestador de serviços que atua em regime concorrencial, valendo-se de métodos de formação de preços próprios das empresas privadas".

Se como estatal o Serpro é pouco transparente sobre os contratos que envolvem os nossos dados, o futuro pós-privatização é ainda mais nebuloso.




Privatização à espreita

Fundado em 1964, o Serpro presta serviços de tecnologia da informação, como processamento de dados, construção e hospedagem de aplicativos, execução de projetos sob medida e software, principalmente para o governo federal. A Receita Federal, por exemplo, rendeu R$ 1,5 bilhão ao Serpro no ano passado, enquanto a Diretoria de Administração Logística do Ministério da Economia pagou R$500 milhões à estatal.Os negócios com o governo representam 85% da receita da empresa, mas a fatia do setor privado tem crescido - especialmente com medidas de cortes de gastos da administração pública federal. De 2019 para 2020, a participação de empresas privadas passou de 10% para 14% (R$ 390 milhões) do faturamento líquido, que foi de R$ 2,7 bilhões no ano. O maior cliente privado é o Banco Panamericano.

Apesar dos números positivos, em janeiro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro assinou dois decretos autorizando a inclusão do Serpro e da DataPrev no Programa Nacional de Desestatização, o PND, como parte do cronograma de privatizações, desinvestimentos e liquidações do governo federal.

Por enquanto, o Serpro afirma que o GovData não está disponível para empresas privadas, mas o futuro desse gigantesco banco de dados é uma incógnita. Não há explicações governamentais claras sobre os rumos do produto digital. Os riscos, caso a privatização do Serpro se concretize, são muitos e vão além da privacidade e proteção de dados.

Um dos mais graves é o de ter uma empresa privada que poderá desfrutar de vantagens competitivas, caso seja mantido o acesso do Serpro às bases públicas de dados que o alimentam hoje, como explicou o pesquisador e professor de Direito Econômico da Universidade de São Paulo Diogo Coutinho em artigo para o Data Privacy Brasil, publicado em meados de julho."Caso as estatais processadoras de dados existentes hoje sejam privatizadas, quem ficaria responsável pelo seu tratamento?".

O anúncio da inclusão do Serpro e da Dataprev no PND foi recebido com resistência tanto por representantes do Congresso quanto do Tribunal de Contas da União, o TCU. Diversos parlamentares, como a deputada Benedita da Silva, do PT fluminense, e a senadora maranhense Eliziane Gama, do Cidadania, apresentaram projetos de lei para sustar o decreto de Bolsonaro.

No TCU, responsável por fazer recomendações sobre o patrimônio público, o ministro Vital do Rêgo disse que o processo de privatização das duas empresas demanda especial cautela e deve incluir decisão prévia sobre como manter a segurança da informação e governança sobre os dados públicos e privados custodiados por elas. Em acórdão, o ministro mencionou ainda o risco de prejuízo à segurança dos dados, à privacidade dos cidadãos e à segurança do estado.

O alerta também soou dentro das empresas. Servidores das duas instituições, apoiados pela Associação Nacional dos Empregados da Dataprev, criaram a campanha Salve Seus Dados para alertar sobre os riscos ligados à desestatização.

Em seu site, a iniciativa apresenta uma série de argumentos contrários à privatização das empresas, passando pelos riscos à proteção de dados do cidadão até a perpetuação de uma empresa privada na prestação de serviços ao estado, uma vez que a transferência desse volume de dados ao fim da vigência de um contrato não é tarefa simples.

Para funcionários do Serpro, nesse sentido a privatização pode aumentar custos para o estado e ocasionar a suspensão de serviços públicos por falta de pagamento, por exemplo.

O Ministério Público Federal pontuou que há entraves jurídicos já colocados que impediriam a privatização do Serpro e da DataPrev e ressaltou que a Lei Geral de Proteção de Dados, a LGPD, proíbe que empresas privadas sejam responsáveis pelo tratamento de dados pessoais com finalidade de segurança pública, defesa nacional, segurança do estado ou atividades de investigação e repressão de infrações penais.

A falha na identificação e gestão de riscos é um dos fatores que pode estar atravancando a transformação digital do governo brasileiro, avaliou o TCU no final de julho.

Entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, corresponsável pela execução do PND, anunciou que havia selecionado o consórcio Dados BR, que inclui o escritório de advocacia Machado, Meyer e as consultorias Accenture e BCW, para realizar uma consultoria sobre a desestatização do Serpro e da DataPrev.

De acordo com o anúncio, a primeira fase seria entregue dentro de poucos meses, o que não se concretizou até hoje. Segundo o site ITForum, os leilões, inicialmente previstos pelo governo para o primeiro semestre de 2022, foram adiados para o segundo semestre - mas ainda não há data para que eles aconteçam.

Fonte: The Intercept Brasil - Esta reportagem foi feita em parceria com o Núcleo Jornalismo. É resultado de uma bolsa para investigações sobre tecnoautoritarismo, uma iniciativa da Associação Data Privacy Brasil de Pesquisa em parceria com o Intercept.




Compartilhe

LEIA TAMBÉM