Notícias
Releases
30 de Janeiro de 2013
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Categoria de TI abre as negociações salariais de 2013 com aumento real
Trabalhadores do setor em São Paulo terão reajuste entre 7% e 9,4%

Com data-base em 1º de janeiro, a negociação salarial da categoria de TI de São Paulo definiu reajuste dos salários de 7%. O índice representa aumento real de 1,2% frente ao IPCA e 0,8% considerando a inflação de 6,2% segundo o INPC. Os trabalhadores do setor terão ainda melhorias em benefícios como Participação nos Lucros e Resultados (PLR), vale-refeição e auxílio-creche.
 
Foram ao todo quatro rodadas de negociação sem fechamento de acordo, que só foi firmado após o Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd) levar a última proposta oferecida pelos empresários para assembleia com a diretoria da instituição.
 
Além do reajuste de 7% dos salários, ficou definido que todas as empresas da área que possuam mais de 40 funcionários terão que apresentar proposta para pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O vale-refeição deve ser reajustado em 20% - passando para R$12 diários e o reembolso de auxílio-creche para a ser de 35% do salário normativo. Além disso, as companhias ficam obrigadas a apresentar políticas de viagem e reembolso de quilometragem. Os pisos terão reajustes que variam de 8,1% a 9,4%.
 
O presidente do Sindpd, Antonio Neto, considera os avanços importantes, mas afirma que ainda é preciso melhorar as condições de trabalhado da área para atrair novos profissionais e solucionar o problema da escassez de mão de obra.
 
"Avançamos em vários aspectos. Teremos aumento real e nos benefícios. São conquistas importantes para o trabalhador. A relação que o Sindpd tem com o sindicato patronal sempre foi a de cooperação para a melhoria do mercado e das legislações que protejam o setor", reiterou Neto. "Por isso, mais uma vez afirmo que precisamos valorizar a categoria para acabar com o problema da escassez de mão de obra especializada. Há um paradoxo na postura dos empresários, que reclamam da falta de mão de obra especializada. Mas quando vimos aqui e falamos em melhoria dos salários, bolsa-estudo, VR, PLR, pisos, questões essas que criam uma profissão atraente para novos profissionais, encontramos muita resistência. Isso nos mostra que os patrões ainda não se conscientizaram de que é valorizando e investindo em seus funcionários, qualificando, tornando a área atraente, é que iremos modificar esse cenário tão prejudicial ao crescimento e competitividade do setor dentro e fora do país", concluiu.
 
O dirigente ressaltou ainda que não concorda com a avaliação do patronato em relação aos reflexos da economia no setor. O baixo crescimento econômico do país em 2012 foi o principal argumento do sindicato patronal para travar o índice de reajuste salarial em 7%.
 
"Houve retração da economia no ano passado, o que irá refletir em todas as negociações de 2013. Mas os números do nosso setor são números bons, com previsões otimistas. Em 2012, o setor cresceu  três vezes mais que o PIB no primeiro trimestre e mais que o dobro no segundo. Especialistas apostam o Brasil como a terceira ou quarta potência de tecnologia nos próximos anos. É com essa visão que trabalhamos", afirmou o presidente do Sindpd.


Compartilhe

LEIA TAMBÉM