Notícias
Notícias
01 de Abril de 2021
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
EUA vão aumentar impostos para mais ricos e ameaçam pôr fim à orgia neoliberal


Plano é diminuir a pobreza

Europa é o modelo dos EUA

OCDE defende sobretaxa




Tudo indica que a orgia neoliberal está acabando justamente no seu berço, os Estados Unidos. Ela durou de 1981, com a chegada de Ronald Reagan à presidência dos EUA, a 2020, com a derrota de Donald Trump. O sintoma mais claro de que esse período histórico está com a corda no pescoço é a decisão do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de elevar impostos dos mais ricos e das grandes corporações para bancar um ambicioso programa de reformas. Em outras épocas, falar de aumento de imposto nos Estados Unidos era como gritar impropérios contra o defunto no velório. Agora há reação só dos cachorros loucos republicanos. Se o programa de Biden der certo (e há chances de que isso ocorra), pode virar um caso de sucesso a ser copiado no mundo pós-pandemia, quando todos dos governos vão precisar de muito, mas muito dinheiro para consertar os estragos do vírus.

Biden quer fazer o que talvez seja o segundo maior programa do mundo de reforma e criação de infraestratura (é o segundo em porte porque nada se compara ao projeto chinês chamado Rota da Seda). O programa do democrata se assenta em quatro pontos:

  1. Ele quer refazer estradas, linhas férreas, metrôs, serviços de água e esgoto;
  2. Vai tentar fazer com que os Estados Unidos voltem a ter educação pública de qualidade (atualmente é tão ruim quanto a de países infinitamente mais pobres);
  3. Quer descarbonizar a economia, ou seja, retirar o petróleo e introduzir novas tecnologias; e
  4. Busca uma maneira de vida melhor para as mulheres que trabalham, na qual a casa não seja mais um pesadelo ou um cativeiro.


O custo dessas reformas, segundo previsões dos democratas, deve alcançar de US$ 3 a US$ 4 trilhões. Não há dinheiro para executá-los porque Biden já despejou US$ 1,9 trilhão no terceiro pacote contra a devastação econômica da pandemia. Na campanha, Biden avisou que seu alvo era aumentar a arrecadação em US$ 2,5 trilhões no curso de uma década.

Outros presidentes democratas, como Bill Clinton e Barack Obama, fracassaram ao tentar aumentar impostos, mas o cenário mudou completamente. Biden pode se beneficiar de dois movimentos que parecem ter a força de placas tectônicas se chocando nas profundezas da terra: a pandemia e o empobrecimento da população americana.





O aumento da pobreza tem ligação direta com a questão fiscal porque resultou do corte de impostos para os mais ricos e de redução do alcance dos programas sociais por influência da ideologia neoliberal. Não deixa de ser uma piada pronta que o ministro Paulo Guedes (Economia) queira implantar um programa liberal-paleolítico no momento em que esse tipo de política vive seu ocaso no país que mais a adotou como prática de Estado. O crítico literário Roberto Schwarz é autor de um conceito-chave para se entender Guedes, o da ideia fora de lugar. É similar ao liberal que defendia o tráfico de escravos no século 19.

Biden quer virar o disco que tocava ininterruptamente a ideia de que enriquecer é glorioso, mas o trabalho é pior do que as sete pragas do Egito juntas. Na última 5ª feira, defendendo que os ricos paguem mais impostos, o presidente disse na sua primeira entrevista coletiva formal: "Eu quero mudar o paradigma. Vamos começar a recompensar o trabalho, não só a riqueza" (leia aqui, via New York Times, para assinantes). Não por acaso todo o programa fiscal dos democratas se parece com medidas tributárias que são a regra na Europa: taxe os mais ricos para bancar programas sociais para os mais pobres.

A extravagância fiscal nos Estados Unidos é tão grande que se viu na última campanha uma daquelas cenas que parecem saídas de comédias malucas: ricos democratas defendendo aumento de impostos. A história só fica mais redonda quando se olha o outro lado da moeda _os republicanos. Trump, empresário que tem um patrimônio de US$ 700 milhões neste ano, ficou dez anos sem pagar impostos, de acordo com uma investigação do jornal The New York Times. De 2016 a 2017, Trump desembolsou US$ 750 em imposto de renda para o governo federal, enquanto um professor paga em média US$ 1.200. "Como qualquer outra pessoa da iniciativa privada, a menos que sejam estúpidas, elas usam as brechas da lei", disse Trump, num debate no ano passado.

Biden vai enfrentar uma guerra de guerrilha dos republicanos porque corte de impostos é uma questão sagrada para a direita mundial, mesmo que os números mostrem que isso concentra riqueza e aumenta a desigualdade. A história, porém, parece estar mudando de rumo. Organismos internacionais como o FMI (Fundo Monetário Internacional) e OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) apoiam a ideia de que os países cortem impostos dos mais pobres durante a crise e cobre uma "sobretaxa de solidariedade" dos ricos e das grandes empresas. A razão da sobretaxa é elementar, segundo os dois organismos. Enquanto os pobres ficaram mais pobres com a pandemia, os ricos ficaram mais ricos; muitas empresas também tiveram a mesma sorte dos ricos.

Não há, porém, a menor chance de esse tipo de debate chegar ao Brasil. Na semana passada, a Câmara aprovou um orçamento do tipo "Guerra nas Estrelas"; é pura fantasia. Tem até desafios lógicos, dificílimos de compreender: foi aprovado o corte de R$ 13,5 bilhões de despesas obrigatórias da Previdência. Depois não reclame que o Brasil virou um borrão de mortos empilhados no mapa mundi, do qual todos querem distância. Como se dizia nos pagodes do Cacique de Ramos, brincadeira tem hora.

Fonte: Poder 360
Compartilhe

LEIA TAMBÉM

ADESAO
ADESAO 50
Crédito Simulado Paketá
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar


NOTÍCIAS MAIS...

Sindpd com VC: Associe-se ao Sindpd e conheça todos os benefícios

Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW

Conheça o Sindpd Digital
Facebook do Neto

Zap Neto
Zap Neto

CSB Zap
CSB Zap
O Sindpd está no Instagram
Homenagens - mulher
Homenagens - 75

HOMENAGENS
HOMENAGENS

FGTS
FGTS