Notícias
Notícias
WhatsApp
19 de Janeiro de 2023
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Em reunião com Alckmin, presidente do Sindpd lembra importância do setor de T.I.





As centrais sindicais se encontraram nesta quarta-feira (18) com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Geraldo Alckmin, para conversar sobre a geração de empregos que pode ser impulsionada pela pasta. Assim como tem declarado publicamente, o ministro falou sobre seus planos para reindustrialização do país. Historicamente, a indústria é o setor que oferece os melhores empregos.

"Gostamos do que foi apresentado e tenho certeza de que a agenda proposta tem o apoio das centrais. Para nós que defendemos um Projeto Nacional do Desenvolvimento foi muito bom ouvir que o ministro está em consonância com os nossos anseios", disse o presidente do Sindpd, Antonio Neto.

Neto lembrou ainda da importância do setor de Tecnologia da Informação para a geração de empregos e como vetor do crescimento econômico. Atualmente, a área já apresenta a maior demanda por mão de obra e não consegue preencher todas as vagas.

Dentre os temas apoiados pelas centrais, estão:

  • Uma reforma tributária que crie um sistema mais justo e simples de impostos;
  • A desburocratização do Estado;
  • O enfrentamento a taxas abusivas de juros;
  • A retomada das relações comerciais com países latinos e em desenvolvimento;
  • Estímulos para o desenvolvimento de complexos industriais de saúde, gás e petróleo, defesa e agronegócio.
Alckmin contou ainda sobre sua ideia para financiar as exportações brasileiras, por meio de um programa que deve ser feito pelo BNDES. Um exemplo da necessidade deste estímulo, é a queda das nossas exportações para a Argentina, o maior comprador de produtos manufaturados do país.

Segundo o ministro, o volume de negócios com o país vizinho caiu de US$ 28 bilhões para US$ 15 bilhões. Ele explicou que uma das razões para isso é o financiamento feito por países como a China para privilegiar esse tipo de negociação.

"A Argentina é o terceiro parceiro comercial brasileiro e é para onde vendemos mais produtos de manufatura", disse. Uma das medidas previstas pelo BNDES é a retomada dos trabalhos de uma comissão bipartite entre o Brasil e Argentina, contou.

Compartilhe

WhatsApp
LEIA TAMBÉM