Notícias
Releases
11 de Janeiro de 2013
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Negociação Salarial dos Trabalhadores de TI começa na próxima semana
Categoria quer reajuste de 10,51% e ampliação de benefícios

São Paulo, 11 de janeiro de 2013 - A negociação coletiva da categoria de tecnologia da informação paulista começa na próxima segunda-feira (14/1). Os profissionais, representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd),  querem reajuste salarial de 10,51%. O índice é referente à reposição da inflamação mais 4% de aumento real.

A ampliação dos benefícios conquistados nos últimos anos também será prioridade nas discussões. A pauta de negociação, aprovada em assembleias pelos trabalhadores, prevê a obrigatoriedade de negociação de implementação de Participação dos Lucros e Resultados (PLR) para todas as empresas; o pagamento de vale refeição de R$ 15 por dia para trabalhadores com jornada diária acima de seis horas e de R$ 12 para jornada inferior a esse período; e a inclusão de dez novos pisos salariais, abrangendo cargos como aprendiz de função técnica, programadores e analistas de sistemas.

Para o presidente do Sindpd, Antonio Neto, o crescimento contínuo e os benefícios recebidos pelo setor devem refletir na negociação e serão repassados para os profissionais. "O setor de tecnologia da informação brasileiro continua crescendo mais de 10% ao ano. As consultorias da área preveem que os gastos mundiais com TI alcancem 3,7 trilhões de dólares em 2013. Especialistas apostam no Brasil como a terceira ou quarta potência de TI nos próximos anos. Isso será levado em consideração e repassado ao trabalhador, que é quem faz esse crescimento acontecer. Queremos que as empresas valorizem seus funcionários, invistam em qualificação e ampliem os benefícios."

O dirigente afirma ainda que discutirá o estabelecimento de uma porcentagem de investimento em capacitação por parte das empresas da área. "Os empresários reclamam da falta de mão de obra especializada, mas não têm o hábito de investir em seus próprios profissionais. Queremos colocar na Convenção Coletiva uma porcentagem que deverá ser destinada à qualificação. Vamos debater essa proposta este ano."

 

Compartilhe

LEIA TAMBÉM