Notícias
Notícias
29 de Outubro de 2019
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
PDT questiona privatização de seis empresas públicas
Partido pede que STF declare inconstitucional a desestatização de companhias criadas por lei federal específica



Alegando falta de autorização do Poder Legislativo, o Partido Democrático Trabalhista (PDT) protocolou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a privatização de seis empresas públicas. Na prática, o partido questiona as leis 9.491/1997, que alterou procedimentos do Programa Nacional de Desestatização (PND), e 13.334/2016, que criou o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

São alvo do pedido do PDT a Casa da Moeda do Brasil, o Serviço de Processamento de Dados (Serpro), a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev), a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias S/A (ABGF), a Empresa Gestora de Ativos (Emgea) e o Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S/A (Ceitec).

Todas as seis fazem parte de pacote de privatizações do ministro da Economia, Paulo Guedes, divulgado em agosto. No total, a medida afetaria 17 empresas neste primeiro ano - segundo o ministro, em 2020 "tem mais".

Ao Metrópoles, o advogado do partido, Lucas Rivas, explicou que as seis estatais foram criadas por lei específica e que, por isso, só poderiam ser privatizadas com aprovação "prévia e específica" do Congresso Nacional. "A gente pede que essas leis sejam interpretadas de tal maneira, conforme a Constituição Federal, que se a instituição foi autorizada por lei, ela só possa ser privatizada também por meio de lei específica."

"Ora, requerendo a Constituição lei específica para autorizar a instituição de tais entidades públicas somente igual providência permite as dissolver ou transferir para a iniciativa privada", escreveu ele no pedido. Das estatais citadas, ressalva, apenas a Casa da Moeda não foi instituída por lei - a sua constituição como empresa pública, contudo, foi.

O partido pede a declaração de inconstitucionalidade sem redução de texto, o que significa que o intuito não é anular os trechos questionados nas leis, mas sim garantir a especificidade dos casos em que há lei envolvendo a criação. "Se estabelece a interpretação de acordo com a Constituição. O texto, da forma como está, não é incorreto para as empresas que não foram autorizadas por lei", ressalvou Lucas.

Na petição, o PDT pede ainda, além da declaração de inconstitucionalidade, uma medida cautelar para suspender três decretos presidenciais e duas resoluções do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CCPI), apontando "excepcional perigo de dano", enquanto é avaliado o mérito da questão.

Fonte: Metrópole
Link: http://bit.ly/ContraPrivatização

Compartilhe

LEIA TAMBÉM

Dataprev
Conheça o Sindpd Digital
O Sindpd está no Instagram
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar
Reservas de colônias


NOTÍCIAS MAIS...

Colônia de Férias

Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW

Sindpd com VC: Associe-se ao Sindpd e conheça todos os benefícios
Facebook do Neto

Zap Neto
Zap Neto

CSB Zap
CSB Zap
Homenagens - mulher
Homenagens - 75

HOMENAGENS
HOMENAGENS

FGTS
FGTS