Notícias
Imprensa
WhatsApp
18 de Janeiro de 2023
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Antonio Neto pede "revogaço" da Reforma Trabalhista em reunião de centrais com Lula
Presidente do Sindpd e da CSB, Antonio Neto, pediu revogação da Reforma Trabalhista de 2017



As centrais sindicais se reuniram no início da tarde desta quarta-feira (18) no Palácio do Planalto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ministros e deputados para entregar a sua pauta de reivindicações ao novo governo. Na pauta dos sindicalistas estão a revogação de medidas contra os trabalhadores aprovadas nos governos Michel Temer e Jair Bolsonaro, como a Reforma Trabalhista, a Lei da Terceirização e a Lei da Liberdade Econômica, mudanças na paridade de representação do Sistema S, entre outros.

Com foco no fortalecimento das negociações coletivas, enfraquecidas nos últimos dois mandatos presidenciais, os sindicalistas sugeriram a Lula medidas imediatas para a retomada do papel dos sindicatos na mediação entre capital e trabalho, assim como diminuir os problemas de segurança jurídica causados pela Reforma Trabalhista.

Segundo Antonio Neto, presidente da CSB, as mudanças no artigo 611 A e B da CLT feitas por Michel Temer na Reforma Trabalhista possibilitaram que o acordo entre patrão e empregado pudesse ser feito em prejuízo do trabalhador, o que retiraria a força das Convenções Coletivas como instrumento de negociação das categorias.

Para Neto, não se trata de ser contra o acordado sobre o legislado, um dos principais pontos reivindicados pela reforma, desde que isso ocorra em benefício do trabalhador: "essa história do acordado sobre o legislado, o que muita gente acha bom, nós sempre fizemos, Presidente. Só colocaram (as mudanças) o 611-A pra que a gente pudesse negociar PREJUDICANDO o trabalhador".

O presidente da CSB falou também sobre o fim da ultratividade, dispositivo de continuidade para os direitos adquiridos mediante negociações coletivas, o que, segundo Neto, corroborou com o enfraquecimento dos instrumentos de negociação do trabalhador.

INSEGURANÇA JURÍDICA

Para Neto, além dos prejuízos causados ao trabalhador, a Reforma Trabalhista também trouxe aos tribunais muita insegurança jurídica.

"Por conta dessas leis, há hoje 14 Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADINs) e ADPFs relacionadas à Reforma Trabalhista para serem julgadas no STF, o que traz uma insegurança jurídica tremenda. Comecemos, então, pela revogação destas medidas para dar segurança jurídica", disse o presidente da CSB.

Para Neto, "o ideal seria fazer um ?revogaço? numa MP de quatro linhas revogando três leis que foram implementadas de Michel Temer a Bolsonaro, A Nova Lei da Terceirização (Lei 13.429/17), responsável pela quarteirização e a terceirização das atividades fim, a Lei da Reforma Trabalhista (13.467) e a Lei da Liberdade Econômica (13.874).

Compartilhe

WhatsApp
LEIA TAMBÉM