Notícias
Notícias
WhatsApp
18 de Setembro de 2023
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Com sindicatos, Lula e Biden lançam compromisso histórico com trabalhadores
Lula convidou os presidentes das principais centrais sindicais do país para irem aos EUA e participarem do momento histórico



Nesta quarta-feira (20), o presidente Lula (PT) lançará ao lado de Joe Biden, presidente dos Estados Unidos (EUA), um documento batizado de "Coalizão Global pelo Trabalho", no qual defenderão liberdade sindical e garantias aos trabalhadores por aplicativo - entre outras pautas -, em Nova York.

Biden e Lula irão se juntar "para destacar o papel central e crítico que os trabalhadores desempenham na construção de um país sustentável e democrático, um mundo equitativo e pacífico", diz Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional dos EUA.

Se trata de uma iniciativa conjunta inédita envolvendo os líderes os dois países.

"É a primeira vez que trato com um presidente interessado nos trabalhadores", disse Lula após uma conversa telefônica entre ele e Biden, em meados de agosto.

O assunto é tratado como uma das grandes prioridades de Lula em sua agenda de cinco dias em Nova York. Prova disso é que o presidente brasileiro convidou os presidentes das principais centrais sindicais do país para irem aos EUA e participarem do momento histórico.

"É uma honra participar dessa construção histórica para os trabalhadores brasileiros e americanos. A Iniciativa Global Lula-Biden para o Avanço dos Direitos Trabalhistas na Economia do Século XXI é um passo importante para a garantia de direitos e proteção social aos trabalhadores do mundo. É urgente reverter a ideia absurda que um sistema marcado pela precarização, com demissões em massa para achatar salários e com trabalho como commodity é moderno.", escreveu Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e do Sinpd-SP, em suas redes sociais.

A ideia valoriza o histórico político singular de Lula, como líder sindical no ABC paulista, e reforça a ideia de que EUA e Brasil compartilham valores e princípios fundamentais.

"Lula é uma das maiores lideranças sindicais do mundo e Biden é o auto-proclamado o presidente mais pró-trabalhador na história dos EUA, há uma conjuntura especial que está propiciando esta iniciativa. É claro que há essa confluência de personalidades dos dois presidentes, que é o que permite que isso ocorra agora", diz à BBC News Brasil Stanley Gacek, conselheiro do Sindicato Internacional dos Trabalhadores Comerciais e Alimentares (UFCW, na sigla em inglês), que representa 1,3 milhões de trabalhadores nos EUA e no Canadá.

O sindicalismo vive um ressurgimento nos EUA, e o patamar de aprovação da população aos movimentos sindicais está acima de 70%, algo alcançado pela última vez em 1965. Curiosamente, o presidente americano relançou sua candidatura na sede da AFL-CIO, a maior central sindical do país e uma histórica entusiasta e defensora de Lula.

"Se querem consolidar a base e ter sucesso eleitoral, Lula e Biden têm pela frente a missão de mostrar que seus governos podem entregar mais aos trabalhadores em um momento em que o populismo de direita apresenta uma retórica que têm apelo com os trabalhadores", diz Alexander Main, diretor de Política Internacional no Centro de Pesquisa Econômica e Política em Washington.

Documento histórico

Fontes envolvidas na negociação disseram à BBC News Brasil que a premissa do documento é a definição de "trabalho decente", da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O órgão internacional define que "decente" é o trabalho produtivo e de qualidade e que garanta a liberdade sindical, o direito de negociação coletiva, promova a proteção social e elimine o trabalho forçado, infantil e formas de discriminação.

O lançamento da coalizão deve colocar na mesma foto pela primeira vez na história de Brasil e EUA os dois presidentes e líderes sindicais americanos - como a AFL-CIO e a UFCW e brasileiros - como a CSB e a CUT. Também estarão presentes o ministro do Trabalho do Brasil, Luiz Marinho, além de representantes do Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

Brasil e EUA têm leis trabalhistas muito distintas e historicamente, o Brasil oferece muito mais garantias aos trabalhadores formais do que os EUA. No entanto, houve uma explosão de trabalho informal no Brasil nos últimos anos, com trabalhadores ainda mais desprotegidos do que a média dos americanos.

A ideia é criar consensos e uma coalizão mundial em defesa dos direitos dos trabalhadores.

"Nós vamos construir isso. Para o Brasil é importante primeiro pelo reconhecimento do presidente Lula como uma liderança global", disse em Nova York o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, que negociou o texto.

(Com informações de BBC Brasil)
(Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)





banner filie-se
Compartilhe

WhatsApp
LEIA TAMBÉM
Colonia PCDs vagas


PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade

BUSCAR


View this profile on Instagram

Sindpd (@sindpdsp) Instagram photos and videos



MAIS ACESSADAS
Clausula 53 Benefícios - Resumo reduz