Notícias
Notícias
WhatsApp
30 de Agosto de 2023
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Super-rico paga metade do IR da classe média, diz estudo
Por conta da tributação indireta - quando um imposto é embutido no valor final de um produto ao consumidor -, os que menos ganham são os que pagam mais impostos



As cerca de 20 mil pessoas que compõem o 0,01% mais rico do Brasil acumulam em média R$ 151 milhões em riqueza (total do patrimônio, descontadas as dívidas) e apesar disso, os super-ricos do país pagam metade do percentual de Imposto de Renda (IR) em comparação a algumas faixas da classe média.

Segundo reportagem de Carlos Madeiro no site UOL, esses dados serão apresentados pelo Pacto Nacional pelo Combate às Desigualdades, nesta quarta-feira (30), no Congresso Nacional. O levantamento é da Ação Brasileira de Combate às Desigualdades (ABCD), que reúne mais de 50 entidades do Brasil.

Veja o acúmulo de riqueza média dos ricos brasileiros:

  • 1% mais rico - R$ 4,6 milhões em estoque médio de riqueza;
  • 0,1% mais rico- R$ 26,2 milhões;
  • 0,01% mais rico - R$ 151,5 milhões.
Enquanto isso, 7,6 milhões - 2,8% da população - de brasileiros vivem em situação de extrema pobreza, em domílcios com renda per capita inferior a R$ 150 por mês. Os 10% mais ricos do país ganham 14,4 vezes mais do que os 40% mais pobres, em média.

"Esses números retratam que não é só uma desigualdade, mas, sim, são desigualdades que se relacionam em causa e efeito um do outro. Precisamos mostrar esses números, porque as pessoas têm ideia da desigualdade, mas não têm ideia da dimensão.", avalia Oded Grajew, coordenador-geral da ABCD.



Mais rico, menos imposto

Dados do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil mostram que quem tem renda média superior a 320 salários mínimo (R$ 422 mil por mês) paga uma alíquota efetiva de 5,43% de IRPF. A alíquota efetiva é o percentual real de imposto que a pessoa paga sobre seus rendimentos.

A classe média acaba sendo a maior pagadora de IR do país, chegando a 11,25% entre os que ganham 15 a 20 salários mínimos (entre R$ 19,8 mil e R$ 26,4 mil).

Por conta da tributação indireta - quando um imposto é embutido no valor final de um produto ao consumidor -, os que menos ganham são os que pagam mais impostos. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontam que os 10% mais pobres pagam 26,4% da sua renda em tributos, enquanto os 10% mais ricos apenas 19,2%.

"O fundamental agora é vontade política, porque reduzir não é mesma coisa que fazer filantropia: é mexer com distribuição de poder e riqueza.", frisa Oded Grajew.

O estudo foi coordenado por um grupo de trabalho que compõe o Pacto e contou com apoio técnico do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), que utilizou como base dados retirados de fontes de dados públicos e confiáveis.

Maior desigualdade no Nordeste

Há distorções regionais marcantes e o Nordeste apresenta o maior nível de desigualdade. Na Paraíba, por exemplo, a renda média dos 10% mais ricos é 17,2 vezes maior que a dos 40% mais pobres. Já em Santa Catarina, no Sul, essa diferença é de 8,2 vezes.

  • Nordeste - os 10% mais ricos ganham 14,4 vezes a mais do que os 40% mais pobres;
  • Norte - 13,6 vezes a mais;
  • Sudeste - 13,1 vezes a mais;
  • Centro-Oeste - 12,2 vezes a mais;
  • Sul - 10,1 vezes a mais.
As diferenças regionais ficam ainda maiores no mapa da extrema pobreza no país. No Maranhão, 6,4% das pessoas vivem com até R$ 150 por mês, enquanto esse percentual é de 1,3% em Santa Catarina.

Extremamente pobres por região:

  • Nordeste - 4,7%
  • Norte - 3,6%
  • Sudeste - 2%
  • Centro-Oeste - 1,7%
  • Sul - 1,5%
Cor e gênero

Como esperado, homens e brancos têm melhores desempenho em todos os indicadores socioeconômicos.

Renda média do brasileiro por raça e gênero:

  • Mulher negra - R$ 1.663 por mês
  • Mulher branca - R$ 2.789
  • Homem negro - R$ 2.288
  • Homem branco - R$ 3.929
"O observatório mostra uma agenda que tem de ser feita, não só em relação a grupos sociais, étnicos, de gênero e de raça, mas também territoriais. Se um gestor enxerga uma desigualdade, deve dizer: ?Aqui que tem que se investir com prioridade?.", defende Oded Grajew.

(Com informações de reportagem de Carlos Madeiro em UOL)
(Foto: Reprodução)





banner filie-se
Compartilhe

WhatsApp
LEIA TAMBÉM
Colonia PCDs vagas


PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade

BUSCAR


View this profile on Instagram

Sindpd (@sindpdsp) Instagram photos and videos



MAIS ACESSADAS
Clausula 53 Benefícios - Resumo reduz