Notícias
Jurídico
02 de Setembro de 2019
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Em julgamento do dissídio, Sindpd recebe reconhecimento de Desembargadores do TRT
'São sindicatos que engrandecem o sistema sindical brasileiro. Já tive a oportunidade também de fazer várias audiências com eles, inclusive, um acordo que fizemos no final do ano passado', disse o Desembargador Davi Furtado Meirelles



Foram precisos sete meses de espera até que se chegasse à decisão final de ratificação das cláusulas do dissídio coletivo de 2019. Ainda assim, ficou claro que o Sindpd buscou a todo o momento uma solução negociada para a renovação da Convenção Coletiva, fato considerado positivo pelos desembargadores que julgaram o caso.

"Esses sindicatos têm um relacionamento bastante evoluído e trabalharam, eu testemunhei isso, denodadamente para que chegassem a uma solução", observou o desembargador Rafael Pugliesi no final do julgamento.

A observação de Pugliesi também foi acompanhada pelo presidente da sessão, o desembargador Davi Furtado Meirelles: "são sindicatos que engrandecem o sistema sindical brasileiro. Já tive a oportunidade também de fazer várias audiências com eles, inclusive, um acordo que fizemos no final do ano passado. Inclusive, está aqui o presidente do sindicato suscitante (Sindpd), que é um dos maiores líderes sindicais do país. Eu agradeço a presença deles aqui, isso engrandece a nossa seção".

Para o desembargador Pugliesi, o processo foi uma verdadeira demonstração de que é possível, e louvável, que a solução do litígio se dê sob a orientação de uma relação aonde ambos os lados saem vencedores: "as categorias encontraram um entendimento, um canal bem evoluído para a solução dos seus problemas".

Após o término da seção, o presidente do Sindpd, Antonio Neto, comemorou a decisão. "Diante do cenário de crise e das precarizações trazidas pela reforma trabalhista, tivemos uma vitória maiúscula ao garantir, por mais um ano, todas as conquistas que o Sindpd conseguiu para a sua categoria".

Para Neto, o resultado do julgamento, com o acatamento de praticamente todas as cláusulas apresentadas pelo Sindpd, foi uma conquista muito importante do sindicato numa conjuntura de crise econômica e cortes.

"Não cedemos um milímetro, todos os nossos direitos estão assegurados e os reajustes serão retroativos. De quebra ainda conquistamos uma estabilidade de 90 dias para todos, absolutamente todos os profissionais de TI", comemorou.

A advogada do Sindpd, Augusta Raeffray, que foi a responsável pela sustentação oral do sindicato na audiência, também colocou que ainda que a negociação tenha sido exaustiva, a tentativa sempre foi a de composição e agradeceu aos desembargadores pela observação positiva.

COMO FOI A NEGOCIAÇÃO?

A negociação do dissídio coletivo de 2019 começou com o seminário de pauta realizado pelo Sindpd para debater sugestões de reivindicações e estratégia da campanha salarial no mês de outubro de 2018.

Após traçados os planos, em novembro e dezembro o sindicato realizou 14 assembleias em todo o estado para discutir e aprovar a pauta com os trabalhadores de TI do Estado. Após aprovada, a pauta foi protocolada no Sindicato patronal (Seprosp) pedindo a abertura do processo de negociação.

No mês de janeiro, então, começou a negociação. Neste momento, os patrões apresentam as suas propostas. Após a reforma trabalhista, as negociações foram marcadas pelos patrões exigindo a retirada de cláusulas e de direitos.

Diversas rodadas foram realizadas para a tentativa de um consenso. Sem sucesso após as intensas tentativas de negociação com a patronal, o Sindpd buscou foi ao TRT para tentar chegar a um acordo, o que levou à necessidade da impetração do Dissídio Coletivo Econômico no tribunal.

No rastro da conjuntura de cortes, fruto da crise econômica e da desregulamentação do trabalho promovida pela reforma trabalhista, as negociações acabaram se tornando ainda mais duras, o que vem dificultando desde o ano passado a realização de um acordo sem a intermediação do TRT. Em 2018, Sindpd e Seprosp também tiveram que recorrer ao TRT para a resolução do dissídio da categoria.

Clique aqui para saber o que muda e o que fica após o julgamento do dissídio coletivo de 2019





Compartilhe

LEIA TAMBÉM
Conheça o Sindpd Digital
Conheça o Sindpd Digital

O Sindpd está no Instagram
O Sindpd está no Instagram
POR QUE SE FILIAR?
PESQUISAR BENEFÍCIO

Área ou segmento


Tipo

Categoria

Cidade



Buscar
Reservas de colônias


NOTÍCIAS MAIS...

Colônia de Férias
Facebook do Neto

Últimas do Convergência Digital


Últimas do IDG NOW


Zap Neto
Zap Neto

CSB Zap
CSB Zap
Homenagens - mulher
Homenagens - 75

HOMENAGENS
HOMENAGENS

FGTS
FGTS