Notícias
Imprensa
03 de Abril de 2017
Tamanho da letra Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
Setores poupados do fim da desoneração demitiram 965 mil em 2 anos
A equipe econômica premiou quem mais demitiu em anos recentes. O número corresponde a 33,6% das vagas encerradas no período



Os setores de construção civil, transportes e comunicações, que abrangem os 5 segmentos que manterão o benefício da desoneração de suas folhas de pagamento, extinguiram 965 mil postos formais de trabalho desde 2015.

O número corresponde a 33,6% do total das vagas encerradas no período (2.872.441). Ou seja, ao anunciar o ajuste fiscal 2.0 nesta semana, a equipe econômica premiou quem mais demitiu em anos recentes. Os dados são do Caged.



A explicação de Henrique Meirelles (Fazenda) para a escolha dos setores que manterão os descontos nos encargos trabalhistas foi a de que são segmentos "altamente dependentes de mão de obra e vitais para a preservação do emprego no país".

GOVERNO AFAGA A MÍDIA

Desde 2015, por lei sancionada por Dilma Rousseff, 56 setores da economia pagam menos encargos trabalhistas. O Planalto deu uma ordem que foi bem aceita por Henrique Meirelles: não incomodar empresas jornalísticas, que continuarão a pagar menos tributos. Rádio, TVs e jornais seguem desfrutando do refresco oferecido pela ex-presidente.

SETORES ATINGIDOS PELO FIM DA DESONERAÇÃO

O governo espera uma receita de R$ 4,8 bilhões em 2017 com o fim da desoneração da folha de pagamentos. A medida é uma das formas encontradas para cobrir 1 rombo extra de R$ 58,2 bilhões e fechar as contas federais em 2017. Eis uma tabela completa com os segmentos em que a desoneração foi mantida e os que perderam o benefício:

As informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Fonte: Poder 360

Compartilhe

LEIA TAMBÉM